Follow by Email

domingo, 14 de novembro de 2010

Sete Ciganos - 1

CAPÍTULO 1 – SOFIA

Brejões

Domingo


Amanhece na cidade. O vento varre o pó da estrada e o solo semi-árido e de mata cipó é banhado pelo sol nascente que brilha majestoso. Os cafezais se mostram exuberantes, ratificando a fama da “Terra do Café”.

O céu é de um azul tão intenso que chega a doer. Plantações diversas dão um colorido especial à paisagem. Bois e cavalos respiram o ar da manhã. Aves diversas cantam saudando a aurora.

Na Praça Manoel Vitorino, a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, as árvores, os bancos e as casas testemunham a chegada de uma forasteira que divide a rua com os cães sem dono. Ela é bela e forte. É uma cigana. Usa vestido laranja com fitas amarelas. É morena e tem cabelos negros. Seus olhos são castanhos escuros e denotam cansaço de viagem. No pulso, usa pulseiras douradas; nos dedos, anéis. Calça sandálias de couro e leva nas costas uma mochila.

Ela pára e olha para um lado, para o outro. Localiza o Hotel Brejões e se dirige até ele. Entra na recepção e surpreende o atendente, por ser bela, por ser cigana. Ele a olha cismado, pois não confia “nessa gente”. Ela, percebendo a cisma, diz que quer um quarto por uma semana e paga adiantado.

Ele a conduz ao quarto e recebe a gorjeta.

Ela se joga na cama, exausta:

- Quando essa busca haverá de terminar, Bel-Karrano?*

Cansada da viagem, adormece e sonha: de uma constelação, emergem sete raios brilhantes que vêm em direção à Terra. Cada um toca o ventre de sete ciganas, em épocas diferentes. Sofia se vê sentada numa tenda espaçosa, diante de um círculo de velas acesas. À frente de cada uma, há um mineral; uma suave fragrância de canela perfuma o ambiente. A cigana sente a aproximação de alguém. Seus instintos lhe dizem que a pessoa é de paz. Adentra no recinto um cigano maduro, moreno e forte. Homem bonito. Ele usa uma camisa vermelha e calças pretas. Cumprimenta-a e senta-se diante da vela vermelha e de um lindo rubi. Só aí ela percebe que a vela que está em sua frente é laranja e ao lado dela há uma pepita de ouro.

Depois entra um velho cigano vestido de roxo. Tem um olhar jovial e misterioso. Ele os cumprimenta e senta-se diante da vela lilás e de uma ametista. Ela sente grande familiaridade com os dois. Não são desconhecidos; mas de onde os conhece?

Em seguida, uma cigana loira e sorridente, de formas arredondadas, surge. Ela tem seios abundantes e usa um lindo vestido rosa com fitas verdes. Saúda os presentes e senta-se diante de uma vela cor-de-rosa e um quartzo rosa.

Logo após chega um homem garboso, vestido de púrpura, coberto de ouro e certa arrogância. É boa gente, contudo. Fala cordialmente com todos e senta-se diante da vela azul clara e de uma sodalita.

Eis que surge uma velha e honorável cigana. Conserva traços de rara beleza e conhecimento. Veste um vestido índigo com fitas prateadas. Saúda os presentes e senta-se diante da vela que tem a mesma cor do vestido e de uma safira.

Todos olham para o lugar que está vazio. Há uma vela amarela e um topázio. Quem faltará? Eis que entra um corvo na tenda e sobrevoa os ciganos. Eles o observam com respeito. A ave pousa no lugar que estava vazio e se transforma num ciganinho vestido de dourado, branco e lilás. Ele gargalha gostosamente e contagia a todos. É um mago. Imediatamente faz surgir uma cobra enrolada no pescoço e ramos de arruda nas mãos. Abraça e beija cada um, começando da primeira que chegou e terminando na última e dá a cada qual um ramo.

Sofia desperta sobressaltada. De novo, o mesmo sonho! Sente que nunca esteve tão perto de concluir sua busca.

*Deus, em Romani.

9 comentários:

  1. Muito lindo... viajei!!!!
    Que as palavras escritas por você, sejam traduzidas em diversos idiomas e que as pessoas reconheçam o seu potencial e seu dom a cada dia.
    Quando crescer, quero ser igual a você.
    Beijos e sucesso.
    Da irmã que te ama.
    Mile

    ResponderExcluir
  2. Acredito que esse seja o inicio de um novo livro!?
    Isso é uma afirmação e uma pergunta ao mesmo tempo.
    Se não for, trate de dar continuidade, quero saber o mistério de Sofia e conheça-la mais a cada capitulo.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Como sempre contagiante....
    Rico em símbolos e conhecimento ao mesmo tempo que sedutor...

    A arte de eser escritor.

    =]

    Amei!!

    bjoo cor de ametista!

    ResponderExcluir
  4. Mile, Que assim seja. Amo-te, minha irmã. Sete Ciganos é sim um livro. Foi escrito há alguns anos e como estou sem grana para publicar da forma convencional, resolvi postá-lo em forma de novela. O importante é a divulgação da cultura do meu povo.Optcha! Continue se deliciando.

    ResponderExcluir
  5. Jana, sou teu fã e te amo. Aguarde as próximas aventuras de Sofia e dos outros Filhos do Vento.

    ResponderExcluir
  6. Já estou ansiosa pelo próximo capítulo. bjs

    ResponderExcluir
  7. Fiz uma bela viagem na sua descrição, mim vir dentro deste sonho. beijo te amo.

    ResponderExcluir
  8. Hoje não posso considerar minhas viagens tão loucas assim visto que, tudo tem um significado muito consistente nos momentos atuais...
    Minha análise:
    VEJA BEM...
    PRIMEIRO CAPÍTULO, RAIO QUE TOCAM AS SETE CIGANAS EM ÉPOCAS DIFERENTES...
    MINHA ANÁLISE: EM QUAL DESSAS ÉPOCAS A GENTE ESTÁ NESSE MOMENTO?

    ResponderExcluir
  9. Mel! Você me pegou... Nunca pensei nisso!

    ResponderExcluir