Follow by Email

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

A Dama da Noite - 18 anos pós-núpcias

Para Caio Fernando Abreu

Nossa, garoto! Você é ótimo! Adorei fazer com você. Dinheiro muito bem pago. Quanto foi mesmo? Ah! Até que você não explora. Toma aqui. Me ajuda aqui com meu sutiã? Ah! Não lido bem com esses fechos nas costas. É sempre bom ter um homem experiente para me ajudar a fazê-lo. Você já deve ter feito isso várias vezes, heim? Com várias mulheres, hã? Danado! Esse sorriso de putinho, esse sorriso estudado de michê expert me mata. Sim, sou casada, mas como adivinhou se sempre tiro minha aliança quando vou me divertir? Ah! A marca no dedo. Você é bem observador! É de Virgem? Áries! Detesto arianos. Seu ascendente deve bater com o meu santo, por isso você é exceção. Se bem que nem o conheço direito, não é? É impossível conhecer alguém direito tendo-se trepado só uma vez com essa pessoa. Te vi se mercando todo gostoso naquele bar e sabia que podia investir em você, pois não iria me decepcionar. Gozei horrores! Não gosto de sair mais de uma vez com um só cara, entende? Termina rolando sentimento e aí, fodeu Maria Preá! Vá lá! Vá tomar seu banhinho, meu neném. Só vou tomar banho em casa. Vou ficar com seu cheiro em meu corpo e essa goma de camisinha na minha xoxota.

Meu marido agora está em casa com nossos filhos. Duas meninas e um menino. Me fazer uma pergunta? Claro que pode. Se eu sou feliz? Que pergunta mais sem noção! Claro que sou feliz! Se me dou bem com meu marido? Qual é a sua, cara, heim? Tá me zoando, hã? Eu te paguei para fazer sexo comigo e não para me analisar. Se eu quisesse fazer terapia, certamente não iria te caçar naquele pardieiro, não é? Como é que é? Matar dois coelhos numa cajadada só? Você é muito pretensioso! Então você é o terapeuta sexual: fode suas clientes e depois as analisa. Já fez pós? Ah! Ah! Ah! Eu te ironizando? Você nem queira me ver fazendo ironia. Sou ácida. Corrosiva. Por que me chama de hipócrita? Então para você se eu fosse realmente feliz no casamento não precisaria estar pagando um michê para fazer sexo. Brilhante dedução. Você é um gênio. Como se chama? Bob... Bob é bem básico, não é? Mas Bob é o nome de guerra, não é? Quero saber seu nome de batismo. Ah, qual é! Imaginei agora você na pia batismal todo vestidinho, todo limpinho, todo indefeso sendo lavado do pecado original... Patético! Sua mãe, seu pai, seus padrinhos, a bicha do padre, o corno do sacristão, as ninfomaníacas beatas, ninguém, ninguém ousava imaginar que hoje você estaria aqui nesse quarto comigo, vendendo seu corpo e sua alma para ganhar a vida. Viver é hilário, não é, Bob? Mas me diga: qual é o seu nome de batismo, Bob? Diz, vai... Bobagem, menino. O quê?! Robielson? Ave Maria! Quem te botou esse nome ridículo? Como é que é? Sua mãe se chama Roberta e seu pai Edielson? Credo e Cruz! Perdão, Bob! Não quis ser grosseira, mas seu nome realmente é muito feio. Por que você não o muda? Deve ter sofrido paca na escola, não é? Coitado! Bob fica bem mais em conta.

Quem te disse que minha vida sexual com meu marido é uma merda? Mentira. Já vem você de novo, Bob. Você parece um disco riscado. Se eu fosse feliz com meu marido não precisaria estar pagando um michê para fazer sexo... Sabe de uma coisa, Robielson? Ops! Perdão. Sabe de uma coisa, Bob? Minha vida é uma merda! Meu marido é esquizofrênico, minha filha mais velha é uma religiosa fanática, minha filha do meio tem dislexia e meu caçula tem Q.I. acima da média, ou seja, constitui uma família completamente patológica. Você acha mesmo que todas as famílias o são? Realmente... O processo educacional é tão babaca, não é? Já acabou, Bob? Nossa! Como você demora no banho. Sinto-me uma leprosa! Ah! Você tem TOC? Tô perdida, meu Deus: um marido doido; uma filha santa; a outra, burra; um filho Einstein e o puto que contratei para ter um pouco de gozo, tem Transtorno Obsessivo Compulsivo. Oh, meu Pai, eu mereço! Gozado, Bob! Tenho um amigo que erotiza todas as relações dele, sabia? Até se masturba na intenção dos pais, um louco. Já eu, Bob, eu neurotizo todas as minhas relações, percebe? Só me meto com gente psiquicamente lesada. Por quê? Semelhante atrai semelhante? Você está insinuando que eu também não funciono bem mentalmente? Oh! Bob, assim você me ofende. Porque eu me considero uma espécie de Salvadora dos Psicóticos, Neuróticos e até Narcóticos, caso queiram ter o privilegio de receber minha benção. Papo de igreja? Oh! Bob, você não sabe, nasci e me criei na igreja. Missa, primeira comunhão, crisma, confessionário, ai o padre tarado me perguntava se eu futucava minha xereca, se eu fazia ousadia com as meninas, se eu fazia ousadia com os meninos. Eu dizia não. Ele me chamava de mentirosa e me mandava rezar tantas ave-marias, tantos pai-nossos que aí, para me vingar, comecei a mexer na minha vagina e fazer sexo com todo mundo. O pior foi que eu gostei. Aí, deixei de me confessar.

Já acabou, Bob? E por que a água ainda tá caindo? Bob, Bob, olhe sua vida. Vou me embora e vou te deixar aí, viu? Tenho que ir para casa. Têm quatro aliens lá à minha espera. Claro que os amo, mas é bem difícil lidar com a especialidade de cada um. Tem hora que eu piro. Não sei se minha vida é pior agora que tenho a casa cheia de gente ou se antes quando o dia amanhecia e eu chegava lá, e só via as paredes, a cama, os moveis, a TV, o cinzeiro, a geladeira. Antes era pior. Hoje pelo menos sei que se eu amanhecer morta, não levará muito tempo para meu corpo ser encontrado. Oh, Bob! Continuo me sentindo só. Meu vazio é tão imenso que nem a morte completaria esse oco. Tomo alguns comprimidos vez por outra. Todos precisamos de algum entorpecente. Ah! Sei lá, tem gente que se droga com comprimidos, com religiões, com ideais, com pessoas, com crenças. A humanidade é viciada, Bob, vai por mim. Para existir de cara, ninguém consegue. Pode até haver gente aparentemente mais sadia, aparentemente menos dependente, mas no fundo, no fundo, Robielson, todos estamos cativos de algo ou alguém que nos entorpece ou estimula.

Oh, Bob! Têm horas em que sinto tanta pena de mim... O que acha disso? Normal, Bob?! Você acha normal alguém sentir pena de si mesmo? Bob, tenho a impressão de que você é um anjo caído. Uma amostra grátis de Lúcifer. Você é tão adorável, que me dá vontade de cortar a carne do seu cu e fazer um churrasco. Você ri, não é Bob? Você é uma graça – ri da própria desgraça, enquanto eu desperdiço minha energia com essa auto-comiseração. Sabe como me sinto?Um projeto de Pomba Gira falido.

Bob, tá na minha hora. Sério, tô vazando. Tô deixando aqui uma grana para seu taxi. Você foi ótimo, valeu. Não, Bob, nada de celular. Se a gente se encontrar de novo, quem sabe? Curti você, mas nada de vínculos, por favor. Não pense que vou deixar minha vida insana para montar um apartamento para nós e te tirar da promiscuidade. Até porque, você deve ser um saco no dia a dia. Sua magia, seu encanto é ser o que você é, é fazer o que você faz. Não quero saber da sua vida real. E sei que você não suportaria a minha. Cada um só tem obrigação de suportar a si mesmo, cherry! Adeus, Bob! Meu nome? Não, prefiro não dizê-lo...

2 comentários:

  1. Se fosse eu, diria: "Meu nome é FUI!"
    rsrsrsrrs
    Nada como uma mulher bem resolvida...

    ResponderExcluir
  2. Essa "Dama" está dando o que falar, meu bem. Tem gente querendo levar para os palcos. Pode?...

    ResponderExcluir