Follow by Email

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Sete Ciganos - 35


Horas depois Tânia e Romeu estão no quarto de Sofia e Shalom. Ela pede o conselho dos amigos:
- Gente, o que é que eu faço? É bom demais para ser verdade, mas tenho minha vida aqui.
- Que vida, mãe? Nós temos algumas coisas aqui, mas há muito mais vida nos esperando lá fora.
- Penso que Romeu tem razão, amiga – fala Sofia. – Sei que você está insegura de trocar o conhecido pelo desconhecido, o aparentemente certo para o aparentemente duvidoso, mas como diz Thiago de Melo, “A possibilidade de arriscar é o que nos faz vivos.”
- Eu só queria uma confirmação, um sinal, alguma coisa que me dissesse qual a probabilidade de as coisas darem certo, se eu aceitar o convite dele.
- Podemos experimentar os dados – propõe Shalom.
- Dados?! – Questiona Tânia.
- Sim. É um método de adivinhação que nós ciganos também usamos.
- Por favor...
- Oba! – Exclama Romeu – Com fé em Santa Sara, os dados vão nos mandar embora para a casa de Aristides e para o mundo!
Sofia sorri porque sabe que o rapaz tem razão.
Shalom vai até uma bagagem, pega uma caixa e convida todos à mesa. Sentam-se, ele estende um pano vermelho, coloca nele um lindo rubi, acende uma vela branca e um incenso de olíbano. Põe uma taça de cristal na mesa e pega uma garrafa que tem um papel colado escrito “Água de Chuva”. Abre a garrafa e coloca o líquido na taça, enchendo-a até a boca. Pega três dados e os envolve com as mãos, fechando-as, e bate com o pé direito três vezes no chão sussurrando uma palavra mágica
- Em nome de Bel-Karrano e Santa Sara, evoco os elementares da natureza para que me deem a visão e a força, a fim de que eu ajude meus irmãos Tânia e Romeu. Que assim seja!
- Assim seja! – Dizem os três.
- Você tem direito a três perguntas, Tânia. Por isso pense bem no que quer saber e não desperdice essa chance.
- Certo...O que nos espera se formos embora com Aristides?
O cigano se concentra com os dados nas mãos fechadas e os joga no pano vermelho:
- Seis, seis e cinco. Total, dezessete. Significa que vai haver realização nos negócios, na profissão e muita felicidade para Romeu. Para você, há a possibilidade de casamento e alegria com Aristides
- Impossível! Estou muito bem sozinha. Não quero sofrer mais por amor.
- Não generalize! As coisas agora são diferentes.
- Posso repetir a pergunta?
- Não confia nos dados?
- Não é isso... é que...
- Faça.
Ela repete a pergunta e dá o mesmo resultado.
- Ta vendo, mãe. Temos que ir!!!
- Mais alguma dúvida?
- Posso repetir mais uma vez?
- Ela ainda duvida, Sofia... Vá lá, mulher de pouca fé.
Tânia repete a pergunta:
- Seis, seis, seis. Total, dezoito. Negócios promissores e felicidade plena. Agora é com você, Tânia. O que eu podia fazer, já fiz.
- Eu confio muito em vocês, Shalom. Vou arriscar e sei que vai ser o melhor para nós. Nós vamos embora, meu filho.
Todos festejam e Romeu cobre a mãe de beijos.

Uma semana depois, à tardinha, Aristides, Tânia e Romeu estão de partida de Amargosa.
Na porta da casa que mãe e filho viveram tantos anos, estão Sofia, Shalom, Patrício, pessoas amigas de Tânia, ela, o filho e o novo amigo com algumas bagagens. Outras já estão no carro de Aristides e os pertences que serão úteis à mãe e ao filho foram na frente, numa camionete.
- Só tenho a agradecer por tudo o que vocês fizeram por nós – fala Tânia abraçando os ciganos e chorando.
- Boa sorte, Tânia! Acredite na vida – fala Shalom.
- Segue teu destino, amiga. Em qualquer esquina da vida a gente se encontra – diz Sofia.
Tânia despede-se de Patrício e agradece pela ajuda que deu na exposição do filho. Aristides saúda os ciganos e o dono do restaurante, ambos falam com os demais e entram no automóvel.
Romeu abraça Patrício:
- Muito obrigado, Patrício. Qualquer dia a gente se encontra.
- Com certeza, pintor! Brilhe aonde quer que vá.
- Certo.
Romeu se dirige a Sofia:
- Você é o meu anjo bom. Existia um Romeu antes de você entrar naquele dia, em minha casa, e olhar para mim com seus olhos de Deusa. A partir daquele instante, outro passou a existir. Você é um marco divisório em minha vida, cigana, e por isso, jamais a esquecerei... – Ele lhe entrega uma caixa embrulhada num lindo papel violeta. - Essa é uma lembrança minha para você e Shalom. Por favor, só abram quando partirem da cidade. Eu te amo!
Eles se abraçam e se emocionam.
Depois ele pára diante de Shalom:
- Eu adoraria ter um pai como você, cigano. Agradeço com toda a minha força pela sua sabedoria, pela ciência das runas e por aquele banho mágico que, com certeza, me auxiliaram nessa guinada. Aonde quer que eu vá, sempre levarei comigo a lembrança de sua força e do seu carinho. Te amo!
Eles se abraçam e soluçam de alegria e saudade. Embora saiba que vida é chegada e partida, que tudo é um constante vir a ser, sempre se apega demais aos seus afetos... Mas é assim mesmo, sua meta é encontrar os ciganos e a de Romeu, pintar e encantar o mundo.
- Deem um abraço em cada um do Bando, quando for encontrando e mostre a cada um deles, o conteúdo que está na caixa vermelha, aí dentro. E tenham certeza que jamais encontrarão um gajão tão cigano como eu.
- Optcha! – Brada Shalom.
- Optcha! – Repetem Sofia e Romeu.
Ele se despede dos demais, entra no veículo e Aristides dá a partida. Enquanto o carro vai se afastando, Romeu e Tânia acenam para os ciganos e Patrício que lhes retribuem até o auto dobrar a esquina e sumir das suas vistas. Deixam, por fim, a cidade para viverem um novo ciclo de suas vidas.
- Vamos tomar um vinho? – Propõe Patrício.
- Boa pedida, amigo! – Fala Shalom.
- Preciso – diz Sofia.

5 comentários:

  1. Isso são as partes de um novo livro seu eh Tone???
    Muito bom!! ah! obrigado pelos comentários!!
    grandee abraçooo meu primo!!

    ResponderExcluir
  2. Escrevi "Sete Ciganos" há dez anos atrás. Aí resolvi publicá-lo no blog, como novela (risos). Beijo, meu primopoeta.

    ResponderExcluir
  3. Poxa que legal!!!Tenho mudado minha visão sobre os problemas psicológicos com os filmes da EFI e com Sete Ciganos.

    ResponderExcluir