Follow by Email

quinta-feira, 3 de maio de 2012

A invasora anoréxica


 Estava eu num fast food básico, servindo-me gulosamente de uma deliciosa comida baiana (caruru, arroz, farofa de azeite, vatapá, acarajé, abará, feijão e banana frita). Após compor orgasticamente o meu prato, já que para mim cama, mesa e banho têm a mesma conotação prazerosa, fui pegar uma porção de ambrosia e um copo de 300 ml de Coca-Cola – adoráveis venenos, dos quais tenho ciência e consciência de todas as dores e gozos que podem me causar.

Eis que me surge uma senhora magérrima com um sorrisinho amável de titia intrometida, “urubuzando” minha bandeja e falando:

- Hum! Comida baiana, doce e Coca-Cola, heim?

Puto com a invasão, eu a olhei, de cara feia, e perguntei:

- Qual é o problema?

- O problema?! – A anoréxica invasora ficou sem graça, seus lábios e voz tremeram – Sua barriga vai aumentar e os médicos dizem que isso é ruim para o coração.

- Esqueça os médicos, minha senhora – falei calma e suavemente – o que faz mal ao meu coração é quando alguém que eu nem conheço se intromete em minha vida, sem ser chamado. Saiba que sou dono de uma pança respeitável e me orgulho dela e que de nada valem seus cuidados; vamos morrer a qualquer momento e se há uma coisa que eu não quero é desencarnar sem ter me lambuzado do que mais gosto nessa vida. Passar bem!

A mulher perdeu a voz – Não sei por quê...

Quanto a mim, comi sem culpa, raspei o prato, tomei minha coca, tracei minha sobremesa e acariciei várias vezes meu fofo abdome, julgando-me o ser mais pleno e belo do mundo.

4 comentários:

  1. Como diz aquele ditado: Quem fala o que quer, ouve o que não quer! Tony, estou me contorcendo de rir...

    ResponderExcluir
  2. Antonio, meu santo gastronômico, me diga que essa imagem acima não pertence ao seu corpinho.
    Sei que vc odeia qq espécie de controle, e que vai longe a data em que começou a criar esse ser estranho que habita seu abdôme, mas um pouco de cuidado não faria mal. Morrer é inevitável, mas maltratar o corpo físico por goludice é outra história.
    Um bjo, meu Buda!

    ResponderExcluir
  3. Quando me lembro da cena, também me contorço, Yuri (Foi hilário!) Beijo.

    ResponderExcluir
  4. Paty,minha anja precavida, se avexe não, que essa pança (mais respeitosa do que a minha) foi tirada do Google Imagens. Tenho feito caminhadas, e só dou asas á gulodice de vez em quando, como foi o caso com a anoréxica invasora;minha rotina compreende cuidados do tipo: tenho mastigado mais vezes quando como, por isso, comido menos; tenho me exercitado e selecionado o que vai realmente me nutrir. O azar da criatura foi ter se batido comigo num dia raro de extravagância, aí se fu (rsrsrs) Te amo!

    ResponderExcluir