Follow by Email

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Fim de Caso - 2

No dia seguinte, Afonso está dirigindo seu carro rumo ao trabalho, enquanto ouve seu enlouquecido monologo mental e Carmina Burana – O Fortuna:

Como ele pode dizer que eu o sufoco? Sempre nos demos tão bem... Sempre fui tão feliz ao lado dele, gostei de fazer coisas com ele e achava que com ele também era assim. Mas penso que era! Talvez isso tenha nada a ver com o fato de ele se sentir sufocado. Quiçá esse sentimento só tenha pintado agora. Isso é apenas uma crise na relação e como nos amamos, vamos nos realinhar e definir novos caminhos. Heitor não quer se separar de mim. Ele me ama. Eu não vivo sem ele... Não concebo minha vida sem ele... Antes morrer. Merda! Estou sendo dramático! À merda o meu racional! É assim que me sinto. É assim que sinto! O cheiro dele está tão impregnado em meu ser, que qualquer fragrância que sinto perde a tônica própria e todos os perfumes se convertem unicamente nesse homem. Isso é fascínio! É vicio! É doença...

Heitor está voando de Salvador para o Rio. Olha as nuvens. Ama as nuvens e pensa:

Sou um verdadeiro nefelibata. Deveria mesmo me encher de ópio e parar de pensar. Só queria mesmo sentir... O céu me atrai. A imensidão me atrai e não sei o que estou fazendo da minha vida. Amo Afonso, mas às vezes sinto que se não abrir meus braços serei engolido por ele. Tudo nele é tão definitivo que me assusta. Tudo passa. Meu maior problema ou solução é que erotizo todas as minhas relações. Além de sentir carinho por meus amigos e amigas eu os desejo. Penso que seria capaz de ir para a cama com todos eles e ainda assim, seria inteiro. Desde que estou com Afonso, jamais fiquei com outrem, jamais o traí, jamais me traí, porém se minhas fantasias fossem infidelidades, já teria entrado para o Guinness Book. Nesse meu mundo fantástico, eu mando. Minha terapeuta diz que a liberdade é interna. Concordo com ela. Eu vivo essa liberdade. Minha opção sexual é gente – o rótulo é o de menos... Mas e aí? A opção sexual de Afonso sou eu. A opção afetiva de Afonso sou eu. A opção de vida de Afonso sou eu. Haverá um ajuste para nós?


Nenhum comentário:

Postar um comentário