Follow by Email

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Vivalda e as Violetas


A noite caiu estranha hoje e milhões de girassóis acenavam para Totonho enquanto a vida brotava na janela cinza da casa de Tia Vivalda, a louca.
Ela era chegada a uns ataques histéricos. Quando estava de fogo, saía correndo de qualquer lugar da habitação, chamando por Jesus, em direção à piscina e ao chegar lá, jogava-se de roupa e tudo e relaxava ao sentir que o furor uterino aplacava ao contato com a água. Ficou assim desde que começou a frequentar uma dessas igrejas que se considera “a eleita”.
Violetas desabrocharam na janela gris de Tia Vivalda e ela estava a correr desesperada para a piscina, quando se deteve diante das flores e estancou. Esqueceu-se do fogo que a consumia, não chamou mais pelo Filho do Homem e quedou-se maravilhada ante aquele verdadeiro milagre sem santo, padre ou pastor. O absurdo desse desabrochar residia exatamente no fato de não ter havido cultivo da referida planta. Então como isso pode acontecer, já que ela morava sozinha e nada acontecia debaixo do seu teto sem sua supervisão?
O fato se espalhou pelo vilarejo e quando Totonho tentava descobrir o sentido da vida, foi chamado por um menino:
- Corre, Totonho, que a véia Vivalda endoideceu de vez!
- Vixe! – Exclamou perplexo – E já não tava totalmente endoidecida?
- Que nada, cabra! – Disse o moleque sorrindo e coçando as partes – Agora é pra valer.
Totonho deixou a filosofia pra mais tarde, calçou os chinelos e se picou, correndo com o guri. Entrando na morada da tia, topou com muita gente assombrada e teve trabalho para se aproximar da doida que estava sentada na cadeira de balanço.  Ao alcançá-la, surpreendeu-se. Pensou que a veria babando, rasgando dinheiro, se contorcendo, comendo merda e fazendo outras sandices e o que viu foi uma mulher com um sorriso calmo, olhar são, uma tranquilidade do outro mundo e uma expressão de tamanha lucidez que parecia outra pessoa:
- Tia?!
- Oi, Totonho, veio me ver?
- Foi. Disseram que a senhora não tava bem.
- Mentiram, meu filho. Sabe qual é o sentido da vida?
- Não. Qual é?
- Deixar de esconder a parte de tu que tu mais guarda. Quando esta parte se mostra, a gente se vê de verdade, aí fica bem.
Tia Vivalda olhou para as violetas bonitas e o vento que lá deixou suas sementes, sorriu matreiro comemorando o milagre da existência.

4 comentários:

  1. Tadinha da véia.... rs


    Seu Aruanda, passando pra deixar à vc e à sua familia um Feliz Dia 12 sob as bênçãos de Nossa Senhora!!!

    bjsMeus
    Catita

    ResponderExcluir
  2. Amém, minha amiga Catita. Beijos para você, minha amiguinha Lih e família bonita.

    ResponderExcluir
  3. Loucos somos nós, seu Aruanda.
    Tia Vivalda tá mais sabida do que Totonho.

    Um bjo, tô feliz com sua volta.

    ResponderExcluir